Slide

PUBLICIDADE 728X90

 Marcada pela contribuição na disco music, Donna Summer explorou estilos e deixou legado irretocável!
 Donna Summer faleceu em 17 de maio de 2012, aos 63 anos, com câncer de pulmão. Uma das vozes mais marcantes da geração, com inovação em diversos gêneros, recebeu o título de Rainha da Disco Music.  Apesar do rótulo, cantora tinha consciência da fluidez com que mudava de estilos musicais, conforme relembrou em entrevista à Ebony: "Posso cantar faixas como 'Love to Love You,' cantar baladas, óperas, comédias musicais, hinos de igreja. Além disso, posso escrever, atuar e pensar."  Com sucesso crítico, Summer também atingiu números impressionantes na rádio e com vendas de discos. Durante os anos 1970, chegou ao topo da parada Club Songs da Billboard 11 vezes, renovando música dance.

 “DONNA SUMMER MUSICAL”

"Donna Summer Musical" em cartaz em São Paulo tem Karin Hils arrasando no papel da diva da música que faleceu há 10 anos e vendeu mais de 200 milhões de discos na carreira. Karin representou muito bem a artista no Encontro desta terça-feira, 17/5:  "Fiz questão de me caracterizar, não tem como não mostrar esse figurino. As discussões são as mesmas. Mulher não ganha a mesma coisa, o racismo e muita coisa é comum a maioria das mulheres pretas de hoje. Nós duas fizemos Hair. Ela fez na Alemanha e eu estreei no Rio. Ela foi um marco no gênero."
  Dirigido por Miguel Falabella e estrelado por Jeniffer Nascimento, que interpreta a diva no auge da carreira – Disco Donna, por Karin Hils, que dá vida à Diva Donna e pela atriz revelação Amanda Souza, que interpreta a Donna Jovem, o espetáculo teve em sua primeira temporada um público superior a 60 mil pessoas. Para que o público possa escolher com mais comodidade, há nesta temporada seis sessões semanais – sextas-feiras, às 16h e 21h, sábados, às 17h e 20h e domingos, às 16h e 19h.
“Donna Summer Musical” estreou na Broadway em março de 2018, com enorme sucesso de público e crítica. Sua montagem no Brasil tem o mesmo status de superprodução. Além das três atrizes principais e do elenco com 23 atores e bailarinos, escolhidos em audições, o espetáculo tem um imponente cenário de 260m² e 13 toneladas, construído com muitos espelhos e um impressionante jogo de iluminação. Para recriar as muitas fases da vida da cantora, o elenco usa mais de 50 perucas e cerca de 200 diferentes peças de figurino.
"A Donna é uma referência vocal muito grande para mim. É incrível poder cantar tudo o que ela produziu e também contar sobre sua carreira e vida pessoal". "Mas mais ainda, poder mostrar que, apesar de sua música ter atravessado fronteiras e feito sucesso no mundo todo, ela lidou com dramas pessoais, como abusos, violência doméstica e a relação conturbada com os filhos, que teve de abrir mão em prol da carreira. Para mim, é uma honra", completa a atriz, que encara uma maratona de oito horas de ensaio diárias para compor o papel, que conta com nove trocas de figurino, a cargo de Theodoro Cochrane.

 Quais foram suas principais inspirações para esse processo? Algum estilista, alguma marca ou estrela da época? - "Eu desenhei os 200 figurinos técnicos e um amigo, Eduardo Inagaki, que é um baita ilustrador, desenhou os figurinos artísticos para mim. Eu fui me inspirar na econografia, em vídeos, em todo o universo imagético da Donna Summer. " -  Theodoro Cochrane.


"Fui pesquisar também, não só nela, como também em outras figuras da época, que frequentavam principalmente o Estúdio 54 que conversavam com o estilo dela, como Diana Ross, Cher, Tina Turner, Bianca Jaguer, muitas outras. " -  Theodoro Cochrane.

 " Dos homens, eu vi um pouco de Fred Mercury, Elton John, Iggy Pop, Michael Jackson. Essas pessoas que tinham esse glamour nos shows e no cotidiano. Eu fui ver muita moda da época. Miguel me pediu algumas modas dos anos 60. Então, me inspirei Pierre Cardan; Paco Rabbane; um pouco de Balenciaga; Marquito, o mestre dos paetês brasileiros; Bob Mack, para as franjas. " -  Theodoro Cochrane.
"As referências eram as mais incríveis. O maior desafio foi fazer um figurino dignamente incrível com todas essas inspirações tão ricas. "  - Theodoro Cochrane.


Looks da Diva:


 Antes que extensões de cabelo de penas e trens de penas fossem virar moda, Donna corajosamente pisou no palco em plumas brancas da cabeça aos dedos, adicionando franjas contundentes e um headpiece floral de tamanho excessivo.
Ela adorava roupas ultrajantes, como este macacão branco inspirado em Elvis, com uma sobreposição pura e muitos enfeites dourados, lantejoulas e franjas, que ela arrasou em uma sessão de 1976.
 Mostrando suas pernas (e amor por qualquer coisa cintilante e com contas), a cantora roubou uma página do livro de jogadas estilo Tina Turner com um número preto de fenda alta.
Abandonando a moda disco para uma roupa um pouco mais princesa, Donna se apresentou em um vestido de pérola azul pesado no tule – e um de seus acessórios de cabelo de flores preferidos.
 Enquanto esse headwear nunca pegou, Donna provou que estava à frente de seu tempo em 1979, misturando estampas como um profissional com uma túnica contrastante na altura do joelho e calças de encaixe solto.
 Como Donna abraçou os anos 80: cabelo grande, ombreiras, lamé metálico, um pescoço de capuz e bombas combinando, que ela vestiu para uma sessão de 1986.
Envolta em babados, Donna fez uma serenata para o público e provou que seu estilo, assim como sua voz, era maior que a vida.
Com um roupão em preto e branco tão deslumbrante quanto sua voz vencedora do Grammy, a cantora roubou os holofotes em uma apresentação de 1979.
 Donna trabalhava bastante no seu estilo único, se adaptando a um colete inspirado em moda masculina, gravata oversize e boné de jornalboy,  adiciona alguns toques femininos como uma saia de bolinhas e meias de babados.

PONTO DE VISTA

No nosso ponto de vista a incrível Donna Summer foi única e criou um seus estilo inconfundível. 
A música Disco fluiu feito uma estrela brilhante, que efervesceu em decorrência do seu imenso talento.
Tive o privilégio de assistir o seu show em Porto Alegre no Estádio do Gigantinho no dia 23 de Abril de 1972 e chorei emocionada ao presenciar tanta luz e talento.
Que Deus abençoe essa Diva que trouxe ao meu coração tãos lindos sentimentos, que me deixaram extasiada!

Noeli de Carvalho e Silva
Beijos no coração💖

Editora, Colunista e Jornalista Noeli de Carvalho e Silva 

E da Modelo, Pesquisadora e Designer de Moda Iana de Carvalho Silva




Compartilhe o post com os amigos

Comente pelo Facebook!

Comente pelo Blog!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *