Slide

PUBLICIDADE 728X90

MULHER
De face corada
E divinal, tu luz
É imortal, é cintilante
É pessoal, é grandiosa
És entre todas a mais bela
Com brilho, singeleza e
Áurea, sem igual, que de
Ti desponta, para enamorar
Os desavisados da tua saga
E da tua beleza angelical.
Noeli de Carvalho

Hoje, dia 8 de Março de 2020 é comemorado o Dia Internacional da Mulher!! Dia para se comemorar a diversidade, a garra, dinamismo, coragem, empenho, doação e amor, de tantas mulheres especiais, espalhadas pelo mundo.
Através desde Editorial Especial, dedicado a Elas, prestamos a nossa homenagem, a essas guerreiras de FÉ, que demostram a sua força e continuam lutando,  diante de todas as dificuldades.
Parabéns Mulheres do Mundo Inteiro, por existirem e fazerem do mundo um lugar mais bonito e sensível para todos viverem!!!

Noeli de Carvalho e Silva - Editora, Jornalista, Colunista,  Produtora de Moda, Poetisa, Escritora, Contista, Cronista, Mãe apaixonada e Mulher ciente da sua função social.
Essa escritora que vós fala, Mulher Brasileira, Gaúcha de Porto Alegre, saiu de sua cidade natal ainda jovem, depois de estagiar na Zero Hora e trabalhar na Folha da Tarde. Mudou-se para  Recife-PE, trabalhando como Jornalista profissional no Jornal do Commércio e como Assessora de Impressa na Universidade Federal de Pernambuco.
Inquieta e inovadora, foi abraçada por Salvador, onde mora atualmente,onde ingressou no ramo da Moda, pelo qual sempre foi apaixonada. Publicou Editoriais semanais de Moda no Jornal da Cidade Online durante 3 anos, como colunista e atualmente é colaboradora desse Blog Anjinha da Moda, publicando Editoriais Especiais nesse veículo.
 Também teve a oportunidade de desenvolver seu dom e sua paixão latente, na área de poesias, contos, histórias infantis, usando como veículo de expressão, as redes sociais.

Iana de Carvalho e Silva - Formada em Design de Moda, Modelo profissional, Influencer, Empreendedora e Filha que se orgulha dos Pais com todo o coração.
Apesar de ter nascido em São Paulo, incorporou o Rio Grande do Sul no coração e leva Salvador-Bahia na alma.
Encontrou sua paixão e dedicação profissional aos 4 anos, participando do seu primeiro desfile, desde de então, fez parte de muitos desfiles adicionais, ensaios fotográficos, Editoriais, propagandas, convenções e eventos de moda.
Inspirada pela deslumbrante e bem sucedida carreira da mãe, a Jornalista Noeli de Carvalho e Silva, passou a redigir, quase que diariamente, as matérias semanais do Blog Anjinha da Moda, participando na totalidade dos Editorias Especiais, produzidos por esta Editora.

Na Moda:
Continuando as nossas homenagens ao Dia Internacional da Mulher, resolvemos trazer mais alguns ícones que nos inspiram muito, e desta vez são 7 mulheres que são super influentes no mundo da moda e que de algum jeito fizeram diferença e história. De designers mundialmente famosas à fotógrafas e empreendedoras, nós trouxemos para inspirar ainda mais o seu dia algumas personalidades fortes e que transformaram o mercado, olha só:


 Gisele Bündchen 
Gisele Caroline Bündchen é uma supermodelo, filantropa, ativista ambiental e empresária brasileira. Desde 2004, Bündchen esteve entre as modelos mais bem pagas do mundo e, a partir de 2007, tornou-se a 16ª mulher mais rica do setor de entretenimento. Em 2012, ela ficou em primeiro lugar na lista dos melhores modelos da Forbes.  Em 2014, ela foi listada como a 89ª mulher mais poderosa do mundo pela mesma revista.
Resultado de imagem para gisele bündchen
 Gloria Coelho 
Em seus 45 anos de história, a marca Gloria Coelho já foi premiada diversas vezes no Phytoervas Fashion Awards como melhor estilista, recebeu o Prêmio Champion of Fashion Targets Breast Cancer, CFDA Foundation IBCC 2003, além dos: Prêmio Moda Brasil de Melhor Estilista do ano de 2009/2010, Prêmio da revista Época São Paulo de melhor estilista do ano de 2010/2011, Prêmio Mulher Destaque 2013 e o Prêmio Shell de teatro como Melhor figurino 2014 edição 27°.
[sobre a designer pt]
Costanza Pascolato 
Costanza Maria Teresa Ida Clotilde Giuseppina Pallavicini Pascolato, mais conhecida como Costanza Pascolato, é uma empresária e consultora de moda. Integrante da Sociedade Brasileira de Moda. É um dos nomes mais influentes e respeitados do universo da moda.
Uma de suas frases conhecidas é: " Respeite sua essência, seja você mesma, é o jeito mais inteligente de construir seu estilo, sua maneira de viver e de se vestir. E você vai ver: estilo é fundamental para a autoestima."Resultado de imagem para Costanza Pascolato
 Anna Wintour
A editora-chefe da Vogue norte-americana - a mais importante e conceituada do mundo - fez tanta história em sua trajetória que ganhou um filme inspirado em sua carreira, o nosso queridinho "O Diabo Veste Prada". Além de comandar a revista, ela é diretora de arte da editora Condé Nast e seu legado conta com nada mais nada menos do que ser pioneira no conceito de celebridades nas capas de revista, apoiar novos designers americanos através do Vogue Fashion Fund e arrecadar milhões para o Costume Institue do Met.

 Coco Chanel
Um dos maiores nomes da moda, se não o maior, revolucionou a moda do século XX, criando peças que representavam mulheres modernas e independentes. Trazendo várias peças do closet masculino e pensando em roupas que davam um conforto e liberdade às mulheres que não era tão pensado na época, ela criou uma moda clássica e atemporal, que até hoje é referência para todas nós. 
 Vivenne Westwood
Westwood foi uma grande responsável por inserir a cultura punk na moda e nunca deixou de ser ousada e destemida em seu trabalho. Ela também defende através de suas criações várias causas como campanhas para o desarmamento nuclear, mudanças climáticas e grupos de direitos civis.

 Sophia Amoruso
Ela fundou a Nasty Gal partindo de uma lojinha no eBay e construiu um império da moda online. Hoje ela é autora do best seller #GIRLBOSS (uma leitura altamente recomendada por nós) e inspira toda uma nova geração de meninas que querem construir suas carreiras com as próprias mãos.

 Stella McCartney
A filha de Paul McCartney entrou no mundo da moda com 16 anos em um estágio na Christian Lacroix. Em 1997 ela assumiu seu lado criativo seguindo os passos de Karl Lagerfeld na Chloé, mostrando suas criações com o seu próprio nome e marca 4 anos depois. Hoje a marca Stella McCartney é distribuida em mais de 50 países e ela está longe de ser lembrada por ser filha de um Beatle, viu?
 Annie Leibovitz
Uma das fotógrafas mais famosas do mundo e que dispensa introduções. Ela começou trabalhando para a revista Rolling Stone e ficou famosa por seus retratos de celebridades. São poucas que Annie não tenha fotografado, entre John Lennon, Miley Cyrus e a famosa capa da Vogue americana com Kim Kardashian e Kanye West.
 Iris Apfel
Iris tem 95 anos e é um dos maiores ícones fashion de hoje em dia, provando que idade é apenas um número e que você pode se expressar através da moda de várias formas. Além disso, ela é designer de interiores e empresária e já ganhou sua própria exposição no Metropolitan Museum of Art em Nova York - que fez tanto sucesso que ganhou uma tour pelos Estados Unidos.
 A revista americana Time divulgou  sua tradicional lista das "100 pessoas mais influentes do mundo". Pela primeira vez desde 2004, quando o ranking começou a ser publicado anualmente, quase metade dos nomes é de mulheres. 
Em 2018, constavam na lista 45 mulheres. Este ano, são 48 – um número recorde. Os nomes mais pops são as cantoras Lady Gaga, Taylor Swift e Ariana Grande, e as atrizes Sandra Oh, a primeira mulher de descendência asiática a vencer dois prêmios Globo de Ouro, Emilia Clarke, uma das protagonistas da série Game Of Thrones, e Yalitza Aparicio, que ganhou destaque após estrelar o filme Roma.  Na categoria de esporte, surgem nomes como a jogadora de futebol norte-americana Alex Morgan, a campeã mundial e olímpica de atletismo Caster Semenya e a tenista de 21 anos Naomi Osaka, que surpreendeu o mundo ao derrotar Serena Williams,na final do US Open.   A ex-primeira-dama dos Estados Unidos Michelle Obama, Alexandria Ocasio-Cortez, que com 29 anos é a mulher mais jovem a chegar ao Congresso norte-americano, e a democrata  Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, também estão listadas.AFP
Ao programa televisivo CBS This Morning, o editor-chefe, Edward Felsenthal, disse que as 100 personalidades mais influentes são, “de certa forma, um reflexo da sociedade”. Felsenthal lembrou que, quando a revista começou a publicar a lista, há 15 anos, foram incluídas apenas 24 mulheres. Entre as brasileiras já destacadas pela Time em ocasiões anteriores estão a ex-presidente Dilma Rousseff, em 2011 e 2012, e a cientista Celina Turchi, médica que teve papel importante nas pesquisas sobre zika, em 2017. Neste ano, não há nenhuma mulher brasileira entre as 100 pessoas mais influentes, o que é uma lástima!! 
A lista da Time não tem ordem definida. Os nomes são selecionados pelos editores da revista. 
Confira as 48 mulheres eleitas em 2019:
  1. Sandra Oh
  2. Emilia Clarke
  3. Michelle Obama
  4. Taylor Swift
  5. Lady Gaga
  6. Glenn Close
  7. Indya Moore
  8. Chrissy Teigen
  9. Naomi Osaka
  10. Lynn Nottage
  11. Barbara Rae-Venter
  12. Emily Comer
  13. Leah Greenberg
  14. Tara Westover
  15. Aileen Lee
  16. Arundhati Katju
  17. Menaka Guruswamy
  18. Joanna Gaines
  19. Yalitza Aparicio
  20. Regina King
  21. Ariana Grande
  22. Clare Waight Keller
  23. Brie Larson
  24. Luchita Hurtado
  25. Nancy Pelosi
  26. Alexandria Ocasio-Cortez
  27. Jane Goodall
  28. Leana Wen
  29. Jacinda Ardern
  30. Greta Thunberg
  31. Christine Blasey Ford
  32. Maria Ressa
  33. Radhya Almutawakel
  34. Grainne Griffin 
  35. Ailbhe Smyth  
  36. Orla O'Connor
  37. Caster Semenya
  38. Mirian G.
  39. Gayle King
  40. Jeanne Gang
  41. Vera Jourova
  42. Jennifer Hyman
  43. Pat McGrath
  44. Marillyn Hewson
  45. Loujain al-Hathloul
  46. Dream Hampton 
  47. Samin Nosrat 
  48. Alex Morgan
*A lista completa está no site da Time*


Você sabe quem foram as mulheres brasileiras que entraram para a história?
Elas arregaçaram as mangas e mudaram o status quo. Polêmicas, revolucionárias, corajosas: essas brasileiras foram ícones nas suas áreas de atuação e merecem ser relembradas. Pintoras, escritoras, cantoras, políticas, pensadoras, relembre agora quem foram as mulheres que nos ensinaram a pensar de uma nova forma.

1. Cecília Meireles, escritora (1901-1964)

Cecilia Meireles
Cecília gostava de escrever e escreveu... muito! Foram mais de cinquenta obras publicadas! A autora começou a escrever quando era jovem - o seu primeiro trabalho foi publicado aos 18 anos - e, ao longo da vida, passeou por diversos gêneros: poesia, crônica, conto, ensaio, literatura infantil e didática. Apesar de ter explorado muitos estilos, Cecília acabou por se consagrar no universo da poesia e da literatura infantil
Além de escrever textos literários, essa mulher admirável foi professora, jornalista e fundou a primeira biblioteca infantil do Rio de Janeiro no ano de 1934. Essa brilhante escritora brasileira teve uma história de vida triste: o pai morreu um pouco antes do seu nascimento e a mãe faleceu quando a menina tinha apenas 3 anos. Sem pai nem mãe, Cecília foi criada pela avó materna.  A poeta casou-se duas vezes, a primeira delas com um artista plástico português com quem teve três filhas.

2. Chiquinha Gonzaga, compositora, pianista e maestrina (1847-1935)Chiquinha Gonzaga

As mulheres fortes também se destacam no mundo da música. Chiquinha Gonzaga foi uma brasileira de vanguarda: compositora, pianista e maestrina. Conhece aquela famosa marchinha de carnaval "Ô Abre Alas que eu quero passar"? Então, é de autoria dessa moça!
Filha de um militar com uma mulher mestiça, neta de uma escrava, Chiquinha teve acesso à educação de qualidade e desde cedo se mostrou fascinada pelo universo da música. Conhecida pelo seu gênio forte, a jovem casou com um homem oito anos mais velho com quem teve três filhos. Como o marido não apoiava a sua vocação musical, Chiquinha pediu divórcio. Pouco tempo depois casou novamente e teve uma filha. O casamento também não deu certo, mas Chiquinha conseguiu afinal ter o destino que tanto queria: viveu da música, viajou pelo país, compôs e deu aulas de piano. 
3. Clarice Lispector, escritora (1925-1977)Clarice LispectorEssa brasileira fenomenal era, na verdade, ucraniana, sabia? Clarice Lispector nasceu em Tchetchelnik, na Ucrânia, e veio para o Brasil com menos de um ano.  Clarice fez Direito, trabalhou como redatora e foi, antes de tudo, uma apaixonada pela escrita. Autora de romances, contos e crônicas, Clarice é um dos maiores nomes da literatura brasileira de todos os tempos. Muitíssimo premiada em vida, seu nome era conhecido já entre os seus contemporâneos.
Ainda jovem, a escritora casou com um colega de turma que virou diplomata e rapidamente se tornou uma cidadã do mundo tendo vivido em uma série de países. Com ele (Maury Gurgel Valente) teve dois filhos, mas acabou por se separar. Após o divórcio continuou escrevendo - e muito - para o jornal, além dos livros literários que publicava regularmente.   
 4. Tarsila do Amaral, pintora (1886-1973)Tarsila do Amaral
Você certamente tem gravado na cabeça a imagem do quadro Abaporu, aquela tela com um cacto ao fundo e um protagonista com um pé enorme. Tarsila do Amaral é a autora dessa obra-prima, além de muitas outras obras que pertenceram ao Modernismo. 
Os trabalhos da pintora são em geral divididos em três fases: Pau-Brasil, Antropofágica e Social. Tarsila também fundou, ao lado de Oswald de Andrade e Raul Bopp, o movimento Antropofágico, um divisor de águas na cultura brasileira. Filha de uma família rica e tradicional, a pintora cresceu em fazendas no interior de São Paulo. Já aos dezesseis anos foi estudar artes plásticas fora do país, em Barcelona. Regressou para o Brasil, casou e teve uma filha. Separou e voltou a viver na Europa onde conheceu escultores, pintores, teve uma vida dinâmica e participou das altas rodas culturais. Tarsila foi uma mulher à frente do seu tempo: experimentou viver em vários lugares do mundo, pintou como e quando quis, foi uma criatura pensante no universo das artes plásticas e teve namorados e maridos quando lhe apeteceu.
 5. Ruth Rocha, escritora  (1931)Ruth RochaQuem é que não se lembra das histórias contadas por Ruth Rocha? Sente o coração bater mais forte quando escuta as três palavrinhas Marcelo, Marmelo, Martelo? O livro infantil dessa talentosíssima escritora virou um best seller que cruzou gerações.
Ruth Rocha nasceu em São Paulo e é autora de alguns dos maiores clássicos da literatura infantil que permeiam o imaginário coletivo dos brasileiros há décadas. Formada em Ciências Políticas e Sociais, Ruth Rocha sempre esteve envolvida com o universo das crianças. Ela começou a carreira trabalhando em uma biblioteca e logo virou orientadora educacional. Não demorou muito e experimentou escrever para revistas tendo afinal alcançado o cargo de editora de livros infantis. Quando resolveu virar autora em tempo integral a sua produção literária deu um boum espantoso! Atualmente Ruth Rocha conta com mais de duzentos títulos publicados e a sua produção já foi traduzida para vinte e cinco idiomas.
6. Cora Coralina, escritora (1889-1985)Cora CoralinaProvavelmente você não sabe quem foi Ana Lins dos Guimarães Peixoto, mas com certeza já ouviu falar na Cora Coralina. De repente puxando pela memória você consegue até se lembrar de alguns versos dessa poeta goiana...  "Recria tua vida, sempre, sempre.", conhece? Cora Coralina, uma doceira que cursou a escola apenas até a terceira série do curso primário, criou uma poética do cotidiano, da singeleza, das pequenas coisas. Seus versos, tantas vezes delicados e profundos, só foram publicados pela primeira vez quando a autora tinha 75 anos. Aos 70 anos, essa mulher espantosa resolveu aprender datilografia sozinha para organizar os seus poemas e enviar aos editores. Seu trabalho foi elogiado por Carlos Drummond de Andrade. Cora chegou a receber o título de Doutor Honoris Causa pela UFG e ocupou a cadeira número 3 da Academia Goiânia de Letras.
7. Lygia Fagundes Telles, escritora (1923)Lygia Fagundes TellesPaulista, filha de um promotor com uma pianista, Lygia publicou o seu primeiro livro de contos quando tinha apenas 15 anos. Desde sempre a escritora soube da sua vocação e mergulhou de cabeça no universo da literatura tendo produzido enormes sucessos como As meninasFormada em Direito, a jovem começou a escrever para os jornais e casou com um professor do curso, com quem teve um filho. Se na vida pessoal o casamento que durou mais de uma década acabou em divórcio, mas  na vida profissional tudo corria de vento em popa: e essa autora continuou durante toda a carreira com uma produção voraz. 
O ano de 1963 foi muito especial para Lygia: casou-se com o novo marido e recebeu um prêmio Jabuti pelo seu segundo romance. Durante os anos setenta, aliás, a escritora colecionou prêmios literários nacionais e internacionais. Algumas décadas mais tarde, em 2001, alcançou o auge da carreira: venceu o Prêmio Camões. Quinze anos mais tarde outra grande surpresa: Lygia foi a primeira mulher indicada para o Nobel de Literatura
8. Ana Néri, enfermeira (1814-1880) Ana NeriMenos conhecida do grande público, Ana Néri foi uma mulher essencial para a história do nosso país. Consegue imaginar a coragem dessa mulher que serviu como voluntária na Guerra do Paraguai?
A baiana nascida em 1814 casou com um militar e ficou viúva aos 29 anos, tendo criado sozinha os três filhos. Quando os filhos de Ana Néri foram convocados para a Guerra do Paraguai, ela não pensou duas vezes e escreveu uma carta ao presidente da província,se voluntariando,para servir como enfermeira durante o conflito. Aceita, Ana Néri mudou para o sul do país e aprendeu tudo o que podia sobre enfermagem. Mesmo com poucos recursos e um número enorme de doentes fez um trabalho exemplar. Com os seus próprios recursos criou uma enfermaria em Assunção, no Paraguai, para atender feridos. Por uma tragédia do destino foi lá que perdeu um dos seus filhos. Essa brasileira foi tão importante que chegou a ser condecorada e recebeu homenagens do imperador D.Pedro II. O dia do enfermeiro é celebrado até hoje no dia 20 de maio em função do dia da morte de Ana Néri, que perdeu a vida no ano de 1880. 

9. Marina Silva, política (1958)Marina Silva

Uma brava defensora do meio ambiente, essa pode ser uma das melhores definições de Marina Silva. Essa política nascida no seringal do interior do Rio Branco teve uma vida dura: nasceu em uma família pobre, de seringueiros, e só aos 14 anos começou a aprender matemática para ajudar o pai nos negócios. Marina trabalhou como empregada doméstica e só aos 16 anos aprendeu a ler e a escrever. Essa mulher de fibra correu atrás do prejuízo, fez supletivos, ingressou no curso de História e virou sindicalista. Ela também trabalhou com Chico Mendes e fundou a CUT, tendo se tornado política profissional. 
Marina casou duas vezes, teve quatro filhos, foi vereadora, deputada estadual, senadora, secretária do Meio Ambiente e, por fim, Ministra do Meio Ambiente. Durante grande parte da sua vida esteve filiada ao PT, mas acabou por migrar para o Partido Verde e, em 2013, criou o partido Rede Sustentabilidade. Essa mulher de garra já concorreu à presidência da República por três vezes consecutivas. 
10. Rachel de Queiroz, escritora (1910-2003)Rachel de QueirozRachel de Queiroz, uma cearense nascida em 1910, foi a primeira mulher a ingressar na Academia Brasileira de Letras e a primeira autora a receber o importante Prêmio Camões. A escritora no princípio da carreira já havia recebido o prêmio da Fundação Graça Aranha pelo seu primeiro romance, O Quinze, publicado quando tinha apenas 20 anos.
O talento literário pode ter sido transmitido pelo sangue: Rachel era parente, pelo lado materno, do escritor José de Alencar. Filha de um promotor, a moça se formou professora com apenas quinze anos e colaborou com alguns jornais. Gostou tanto do ofício que seguiu escrevendo para os meios de comunicação, onde publicou mais de duas mil crônicas. Para além das crônicas também investiu nos romances e nas peças de teatroAtivista, Rachel também tinha preocupações políticas. Em 1931 se filiou ao Partido Comunista Brasileiro e ajudou a implantar o partido no nordeste. Militante, a autora chegou a ser presa durante três meses. 
Falando agora da vida pessoal, Rachel casou duas vezes - a primeira com um poeta, a segunda com um médico - e teve uma única filha que morreu com apenas 18 meses. 

11. Ana Maria Machado, escritora (1941) Ana Maria Machado

Bisa Bia, Bisa Bel, essas curtas palavrinhas encheram os seus olhos de infância? Culpa da Ana Maria Machado! Essa carioca nascida em 1941 é filha de um político e jornalista, sempre esteve mergulhada no universo das palavras tendo aprendido a ler antes dos cinco anos.
Além de encantada pela escrita, Ana Maria também é uma pintora de mão cheia tendo participado de exposições no Brasil e no exterior. Aliás, a carreira de Ana Maria é uma caixinha de surpresas: escritora de livros adultos e infantis, professora, jornalista, pintora, essa moça experimentou de tudo e mais um pouco. Durante a ditadura, Ana Maria foi presa e se viu obrigada a sair do país. Na sua nova casa, na Europa, trabalhou na revista Elle, lecionou na Sorbonne (em Paris) e atuou na BBC (Londres). Escreveu a sua tese de doutorado sob a orientação de Roland Barthes. Um sucesso de vendas, seus livros já venderam mais de 20 milhões de exemplares e foram publicados em mais de vinte idiomas. São mais de cem títulos publicados e muitos prêmios colecionados na estante.  

12. Anita Malfatti, pintora (1889-1964)Anita Malfatti 

A pintora acima foi um dos grandes nomes do Modernismo brasileiro. A artista plástica paulistana começou vencendo desafios já desde pequena: como nasceu com um problema no braço direito precisou aprender a usar a mão esquerda. Ainda jovem, Anita tentou se suicidar. Felizmente o plano não deu certo e ela renasceu decidida a se dedicar à pintura. Aliás, a pintura sempre esteve na sua vida: a mãe, pintora, foi a primeira a lhe ensinar a usar os pincéis e foi através dela que a família se sustentou nos primeiros anos, após a morte do pai. Depois de aprender em casa, Anita foi estudar artes plásticas na Europa e retornou ao Brasil,para apresentar os seus quadros expressionistas. Entre eles talvez o mais famoso seja A Boba, pintado entre 1915 e 1916. Através da grande amiga Tarsila do Amaral, Anita participou da Semana de Arte Moderna e integrou o Grupo dos Cinco ao lado de Tarsila do Amaral, Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti De Picchia. Com o passar dos anos a jovem alcançou visibilidade internacional tendo exposto em Paris, Berlim e Nova Iorque. 
13. Dilma Rousseff, política (1947)Dilma RousseffIndependente da sua ideologia ser de direita ou de esquerda há que se reconhecer a importância de Dilma Rousseff, a primeira mulher brasileira a presidir o país. Já antes de alcançar o cargo máximo da política nacional, Dilma esteve cinco anos a frente da Casa Civil. Essa mineira destemida é filha de um imigrante búlgaro com uma professora carioca. Já na adolescência Dilma começou a se interessar por política, mais especificamente pelos ideais socialistas. Durante a ditadura militar se envolveu com a luta armada e chegou a ser presa e torturada pelo regimeFormada em economia, Dilma ocupou uma série de cargos técnicos públicos. Foi, por exemplo, Secretária da Fazenda do Governo Municipal de Porto Alegre. Com a vitória de Lula virou Ministra das Minas e Energia. Depois de alguns anos assumiu o cargo de Ministra da Casa Civil. Em 2010 se elegeu presidente (ou presidenta, como prefere ser chamada) do Brasil, tendo sido reeleita em 2014. Dilma sofreu um impeachment acusada de crime de responsabilidade fiscal e deixou o poder em 2016. 

14. Chica da Silva, escrava alforriada (1732-1796)Chica da Silva

Você já deve ter ouvido falar nessa corajosa escrava alforriada, possivelmente por causa da novela que narra a sua história. Mas a verdade é que a vida de Chica da Silva vai muito além do que a tv escolheu mostrar. Filha de um português com uma escrava, Chica da Silva foi comprada aos 22 anos pelo desembargador e contrator de diamantes João Fernandes de Oliveira. Ganhou a alforria e passou a viver com o seu antigo proprietário, mesmo não tendo casado oficialmente. Juntos tiveram 13 filhos. Mas engana-se quem pensa que Chica da Silva sofreu nas mãos do parceiro, a verdade talvez esteja mais próxima do avesso. João atendia a todos os caprichos da mulher, quer um exemplo? Como Chica não conhecia o mar, o amado chegou a construir um açude onde pôs um navio semelhante às grandes embarcações. O companheiro também deu à ela uma casa magnifica e uma série de escravos. Reza a lenda que Chica andava cheia de joias e só ia à igreja ao lado de doze acompanhantes. Depois de 15 anos juntos, o casal se separou. João Fernandes de Oliveira voltou para Portugal com os quatro filhos homens. As filhas ficaram com a mãe, no Brasil, e Chica passou a administrar a fortuna da família. 

15. Maria Quitéria, militar (1792-1853)Maria Quitéria de Jesus Medeiros

No princípio do século XIX o Brasil teve uma militar no seu exército, uma verdadeira heroína na luta pela independência. Você já tinha ouvido falar da Maria Quitéria? Essa baiana filha de um português com uma dona de casa ficou órfã de mãe,quando tinha apenas dez anos e a partir daí começou a cuidar dos seus dois irmãos e da casa. Independente, Maria Quitéria gostava de montar, de caçar e de manejar armas de fogo, mas não tinha qualquer interesse pela escola. Quando soube das lutas de apoio à Independência, em 1822, pediu autorização ao pai para se alistar. O pedido foi negado. Ainda assim Maria Quitéria não desistiu. Com a ajuda da irmã e do cunhado, cortou o cabelo, pôs uma roupa masculina, arranjou um nome falso e se alistou voluntariamente. Quando foi descoberta pelo pai, já o major responsável por ela não deixou que a moça fosse desligada do batalhão,porque tinha um comportamento exemplar. A jovem participou ativamente da defesa da Ilha da Maré, da Pituba, da Barra do Paraguaçu e de Itapuã. Foi um ícone de coragem e perseverança, apesar de ter morrido no anonimato. Na vida pessoal Maria Quitéria casou com um namorado antigo, um lavrador, e teve com ele uma filha.  
16. Elis Regina, cantora (1945-1982)Elis Regina
Como falar em MPB e não mencionar Elis Regina? Tida como a maior cantora do Brasil de todos os tempos, Elis era um furacão no palco. Nascida no Rio Grande do Sul, a pimentinha, como era conhecida, começou a cantar com apenas onze anos. Aos 15 foi contratada pela rádio Gaúcha e, no ano a seguir, lançou o seu primeiro disco. A carreira de Elis decolou rapidamente e logo a cantora mudou para São Paulo. Queridinha do público e da crítica, Elis recebeu uma série de prêmios e era figurinha garantida nos programas de televisãoUm sucesso de vendas, Elis brincava entre os mais diversos gêneros: foi da bossa nova ao jazz, cantou MPB, rock e samba. Fez parceria com os maiores e não se intimidou quando esteve ao lado de Milton Nascimento, Tom Jobim e Ivan Lins. Na vida pessoal Elis teve dois grandes parceiros: Ronaldo Bôscoli (com quem teve João Marcelo Bôscoli) e César Camargo Mariano (com quem teve Pedro Camargo Mariano e Maria Rita). O destino desse grande nome da música foi trágico: com apenas 36 anos Elis partiu desse mundo vítima do seu vício com as drogas. 
17.Santa 'Irmã' Dulce, religiosa católica (1914-1992) Irmã DulceBeatificada em 2010 pelo Papa Bento XVI, Irmã Dulce chegou a ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz. Nascida na Bahia, filha de um dentista e professor, a menina batizada de Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes desde muito cedo demonstrou vocação religiosa. Quando ainda era adolescente já ajudava os mais necessitados voltando o seu olhar para os mendigos e doentes. Aos 13 anos tentou entrar para o convento de Santa Clara, mas acabou por ser rejeitada por ser muito nova. Em 1934, aos vinte anos, tornou-se freira e recebeu o nome de irmã Dulce em homenagem à própria mãe (Dulce Maria de Souza Brito Lopes Pontes). Irmã Dulce atuou em escolas, participou da criação de um albergue para doentes, procurou amparar os mais pobres. Em outubro de 2010 o Vaticano reconheceu um milagre atribuído à freira: ela teria curado uma mulher desenganada após o parto. Um segundo milagre foi reconhecido pelo Vaticano, Irmã Dulce foi canonizada em 2019.
O princípio:
Por muito tempo, muito tempo mesmo, ser mulher era sinônimo de não ter direitos. Elas não podiam estudar, trabalhar, votar ou se interessar por qualquer assunto, que não fosse cuidar de filhos e fazer enxoval. Só para você ter ideia, na Idade Média, muitos homens removiam o próprio testículo esquerdo, na certeza de que apenas o direito produzia espermatozoides capazes de gerar um filho homem. Pois é. Felizmente, algumas coisas já mudaram nesse sentido na maior parte do mundo, por mais que muitas mulheres ainda sejam reprimidas e violentadas apenas por causa de seu gênero. A seguir, conheça uma lista de grandes mulheres que deixaram importantes contribuições sociais, culturais e científicas à humanidade.

 Malala Yousafzai

Você provavelmente já ouviu falar da Malala, a garota paquistanesa que é também a pessoa mais jovem a ser contemplada com um Prêmio Nobel. Por sua luta pelos direitos das mulheres à educação e pelo símbolo de força e resistência que se tornou, devido à sua experiência pessoal (ela levou um tiro na cabeça quando tinha apenas 14 anos), Malala mais do que merece estar nessa lista.

 Amelia Earhart

Amelia foi a primeira mulher a fazer um voo solo sobre o oceano Atlântico, em 1928. Komako Kimura
Essa mulher sufragista lutou pelo direito das mulheres ao voto e participou também da marcha realizada em Nova York, em outubro de 1917.

Eis um nome importantíssimo na luta por direitos humanos. O nome de Rosa é comumente citado quando falamos em ativistas que lutaram contra a segregação racial – ela é conhecida por se negar a dar seu lugar no ônibus para um homem branco.

  Sofia Ionescu-Ogrezeanu
Essa mulher romena foi a primeira neurocientista e neurocirurgiã do mundo.

 Anne Frank

A escritora judia fez um brilhante e extremamente triste retrato de sua família, que precisou se esconder de nazistas, e você provavelmente já ouviu falar sobre ela.
 Nadia Comaneci
Essa atleta foi a primeira mulher a conseguir nota 10 em ginástica olímpica durante os Jogos Olímpicos e se tornou uma lenda do esporte, sendo que precisou lutar muito para conseguir mostrar seu talento.

 Mary Winsor

Na imagem, feita em 1917, ela aparece segurando um cartaz com os dizeres: “Pedir liberdade para as mulheres não é um crime. Prisioneiras sufragistas não deveriam ser tratadas como criminosas”.

 Annette Kellerman

Por propor que mulheres usassem uma roupa como ela está usando na imagem acima para irem à praia ou à piscina, em 1907, ela foi presa acusada de “indecência”.

 Nísia Floresta Augusta
Nísia foi a primeira brasileira a lutar pela emancipação feminina. É considerada precursora do feminismo no país, sendo também reconhecida por seu empenho em alfabetizar meninas e mulheres. Nísia Floresta também foi uma das primeiras mulheres a publicar artigos em jornais brasileiros, além de ter sido a tradutora do manifesto feminista de Mary Wollstonecraft, “Direitos das Mulheres e Injustiças dos Homens”.
MULHER
O teu sorriso é
Uma brisa que
Alenta e seduz
Mulher!!!!!!!!!!
És um mito que
Traduz a tua nobre
Essência, que não
Se apaga ou dilui
Mulher!!!!!!!!!!!!!!
Precisas ser mais
Respeitada por
Ser como és, sem
Retratos concebidos
Mulher!!!!!!!!!!!!!!
Tens que ser hoje
E sempre admirada
Pois tua luz é alvo
Que deveria ser
Devidamente e
Usualmente
Copiado!!

Noeli de Carvalho


Beijos no Coração 💖 
Editora, Jornalista e Colunista Noeli de Carvalho e Silva

Compartilhe o post com os amigos

Comente pelo Facebook!

Comente pelo Blog!

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *